O demônio do dia-a-dia

Bem mais do que encontrar alguém ideal para amar o mais importante mesmo é manter um bom relacionamento com essa pessoa. As coisas, às vezes, esfriam por causa de um vilão presente na vida inteira de qualquer casal: o cotidiano. Não importa a classe social, a cor, o credo... Basta uma brechinha e o cotidiano aparece para fazer seu estrago. Às vezes acho que Diabo é só apelido e que o nome do "coisa ruim" deve ser Lúcifer José Belzebu Cipriano Capeta de Cotidiano e Silva, e deve ter aprontado muito nessa História...

— Ah não, tô com dor de cabeça!

— De novo, Eva? Faz uma semana que essa sua enxaqueca não passa e eu fico na mão.

— Preciso te contar uma coisa, Adão.

— Contar o quê?

— Conheci uma cobra hoje...

— Ah! Então é por isso que você não quer mais sexo comigo, né?

— Deixa de ser tonto! Ela me disse pra comer o fruto proibido...

— Mas Deus nos proibiu...

— Por isso é que chama "fruto proibido"! Dãã!

— Você tá muito engraçadinha, viu! Quando era só uma costela dava menos trabalho.

— Deixa de besteira e me escuta, poxa! A cobra disse que aqui no Paraíso é muito chato, e ela tem razão. Já reparou que não tem nada pra fazer, que a gente faz tudo igual todos os dias?

— E daí?

— E daí que ela disse que esse negócio tem nome: "cotidiano".

— Você vai acreditar mesmo na cobra?

— Pior que tá num fica.

— Melhor a gente discutir sobre iss... Ei!... Não creio... Mastiga de boca fechada pelo menos, né!

O início de um relacionamento é como a primeira vez que você viaja de avião: tudo é novidade.

— Ai, Josi, ele é um amor! Ele tem um jeito de passar a mão no cabelo que me deixa doidinha

Depois que a gente se acostuma com a mesma coisa do mesmo jeito por muito tempo é que tudo degringola.

— Ai, Josi, ele é um amor, mas aquele jeito de passar a mão no cabelo me irrita.

E assim o cotidiano vai minando o amor que existia no relacionamento a ponto de só sobrar a amizade (se sobrar). Quando a gente gosta de alguém é natural que queiramos ficar perto da pessoa todo o tempo. Mas, para isso, deve haver o cuidado de não deixar a mesmice interferir no amor. O legal é, sempre que puder, dar uma variada.

— Joyce! Na cama com o Vanderley do 42!?

— Só pra variar um pouco, amor!

Não esse tipo de variada, poxa!

— Amor, hoje vamos ao cinema?

— Em plena segunda-feira, Roberto?

— Quero comer pipoca abraçadinho com você. Vamos?

— Ai, Beto, que gracinha!

Aí sim! É disso que estou falando! Fazer dar certo, variando um pouco. Mas aí alguns casais acabam se dando tão bem no relacionamento que resolvem passar até mais tempo junto do que deveriam. Montando um negócio junto, por exemplo. Raramente isso dá certo.

— Samarinha, vem aqui, amorzinho

— Desencosta, Alexsandro!

— Ué, o que foi?

— Ainda pergunta?

— Mas o que que eu fiz?

— O problema está no que você NÃO fez.

— Tá legal: e o que não fiz?

— Não bateu a meta de venda hoje!

— Poxa, mas tá difícil com essa economia, Samara! As pessoas estão se casando menos e comprando menos móveis. O que eu posso fazer?

— Não interessa. Inventa alguma coisa. Sem vendas, sem sexo!

Quando o casal trabalha junto são dois os problemas. O primeiro é misturarem a vida profissional com a pessoal. Assuntos de trabalho devem ser resolvidos no trabalho e os particulares em casa.

— Pode assinar esse documento aqui, Samara? Preciso reconhecer firma e protoc...

— ...não vou assinar nada! Estou brava com você!

— (...)?

— Não me olha com essa cara: tá me devendo um orgasmo daqueles, hein! Ontem foi um desastre!

O segundo problema é a saudade. Na verdade, a falta dela. Num relacionamento, é gostoso você se pegar no meio do dia pensando na pessoa amada, calcular as horas para encontrá-la, abraçá-la, beijá-la e contar as novidades do dia. Se a pessoa estiver à sua vista o tempo todo, não haverá saudades e nem novidades.

Num relacionamento, existem três vidas: a dele, a dela e a deles. Ele fazer as coisas dele, com os amigos dele, enquanto ela, combina e faz as coisas dela com as amigas dela. A vida deles é quando fazem as coisas em conjunto. No momento em que essas três vidas se fundem o cotidiano aparece e as novidades desaparecerem. Se encararem com seriedade essas três vidas, garanto que seus relacionamentos serão bem longevos.

E se encontrarem o Lucinho por aí, deem um safanão nele. Não o deixem atrapalhar o relacionamento de vocês, tá bom?

— Que "Lucinho", Edson?

O Lúcifer José Belzebu Cipriano Capeta de Cotidiano e Silva, é claro!

35 comentários:

• Ӗwerton Ľenildo. disse...

O cotidiano é perturbador e insolente. rsrs
Ótimo, ótimo texto. Parabéns.
Abraços.

Academia de Leitura,
papeldeumlivro.blogspot.com

Amanda Mag disse...

nosaaa me divirto muito lendo suas cronicas são muito boas.Meus parabéns e se o livro for lançado serei uma das compradoras.

Vanessa Sueroz disse...

hahaha pior qe é verdade!!!

Drunk Admin disse...

Nossa, concordo com tudo que foi dito! E foi realmente engraçado o dialogo entre Eva e Adão, parabéns, ótimo texto! Beijinhos!

Drunk Culture
http://drunkculture.blogspot.com

Beatriz Gosmin disse...

Hahaha!
Adorei o post!

Creio que a mesmice e o cotidiano sejam realmente um dos motivos que levam casais felizes a largarem. Tem que ter coisa nova!

Fazer uma surpresa, roubar um beijo inesperado...
São tantas as coisas que podem fazer o amor proliferar!

Beijos!
Bia | Blog Livros e Atitudes

Maria Cristina disse...

Realmente é a dura verdade. Cotidiano estraga as coisas. É preciso respeitar a individualidade de cada um, cada um tem que ter o seu espaço. Se não daqui a pouco você já vai estar enxotando o parceiro do quarto, hahahah

Marcia disse...

Como sou casada há 22 anos, acho que entendo um pouquinho sobre o cotidiano rs.

Encarar as três vidas com seriedade é com certeza a chave para que o "Lucinho" deixe de ter nome e sobrenome.

Debby Lenon disse...

Rotina afeta a vida de qualquer pessoa. Afeta de tal forma que destrói não só um casal, mas toda uma família.
Hoje sou a favor de casais viverem em casas separadas, se verem menos (tipo a Rita Lee e o Roberto), acho que relacionamentos assim tende a durar muito mais.
Imagina sentir falta da pessoa que você não vê ha dois dias, ligar para um jantar (em casa mesmo) beber um delicioso vinho e fazer amor no tapete da sala?
Da para fazer isso vivendo 365 dias juntos? Claro que dá! Tem o mesmo gosto? Não. Sentir saudades nesse caso é fundamental.
Bom, o Lucinho já me visitou e destruiu anos de relacionamento. Quem dera pensar naquela época da mesma forma que penso hoje.
Beijos e ótima crônica.

mara disse...

kkkkk muito boa viu.principalmente quando disse que:deve haver o cuidado de não deixar a mesmice interferir no amor. cotidiano mata mesmo qualquer relacionamento.parabens rossatto bjsss.

Liineh disse...

Cada vez que você posta uma crônica eu rio mais ,
principalmente com essa parte:

''E se encontrarem o Lucinho por aí, deem um safanão nele. Não o deixem atrapalhar o relacionamento de vocês, tá bom?''

ausaushaushauh Parabéns Edson .

Viviane disse...

Parece que estava lendo o relatório de minha vida amorosa..rsrs

Realmente o cotidiano é cruel, mas com sou mulher de fases e odeio rotinas passei essa fase sim, mas dei um chute no Lulu e as coisas melhoraram.ótimo post.

Razão e Resenhas
http://vivianeblood.blogspot.com/

Ka Wozniak disse...

Edson ... adorei!!!
Que texto lindo.... ah e adorei o nome do Lulu hahahahahahahah


Parabéns!!!

Srta Plens disse...

Hilário Edson! Muito boa a sua crônica e com certeza está com toda a razão. Se tem uma coisa que eu ODEIO é a mesmice. Pra me conquistar tem que ser bem inovador *o*

NikaSanc disse...

Putz, verdade. hahahaha
Muito legal!

Amanda Chieregatti disse...

É..... por mais que se diga o contrário, não tem como evitar a rotina. Acho impossível!!!

Adorei a crônica! Sempre me divirto horrores!!

Beijos
Mandinha
/minhasconfissoesfemininas.blogspot.com/

Pedro_Almada disse...

Eu gostei pra caramba!
Claro que quando as coisas entre um casal ficam naquela mesmice, a tendência é desandar. Mas acho que uma vida inteiramente de "eles" não é ruim. Pelo contrário, desde que tenham um bom entrosamento, e saibam respeitar o espaço um do outro, tudo dá certo. Os amigos podem se misturar, inclusive é uma fuga da rotina! xD
A saudade é outro detalhe importante. É bom deixar o sabor de ausência na boca do(a) parceiro(a), porque aí um fica pensando no outro por mais tempo, pra quando se encontrarem, não perderem tempo tendo discussões bestas até caírem numa briga sobre a visita da sogra na páscoa do ano passado rsrs

excelente post! Como sempre, tem tudo para ser um livro sim!

Pedro Almada
@Pedro_Almada
http://inspirados-oandarilhodotempo.blogspot.com/

SYMONNE disse...

Adorei!!! SHOWWWW.... TEXTO MARAVILHOSO...PARABÉNS!!!

Sofia Geboorte disse...

Sábias palavras, esse Lucioaí mata a gente, o melhor de tudo é quando o celular estraga e aí sim a saudade é perturbadora, mas a recompensa é melhor ainda.
Adorei Ed, arrasou mais uma vez!

Bjs

Clarissa Roldi disse...

Faz tanto sentido que até assusta! 'Hehe.
Mas é verdade. Deixar o relacionamento cair na rotina é a pior coisa que pode acontecer. Depois de um ano de rotina com uma pessoa, até a voz dela chega a irritar, não é? Acho que quando você está com uma pessoa é claro que você precisa dedicar um tempo a ela, mas concordo plenamente com o que você falou. Acho muito importante também que não tenha aquela coisa de trocar os amigos pelo(a) namorado(a). Não é só porque começou a namorar que precisa se desfazer das amizades, certo? Existe a vida dela, a dele e a deles, e saudade é muito importante.

Adorei o novo apelido do Tio Lú, vou passar a chamá-lo assim agora, hahahahaha.

Mandou bem, Edson! Super criativo e engraçado, como sempre.

Abraço!

Luana Melo disse...

Eu simplesmente amei o texto!
Que tato para falar sobre relacionamentos!
Muito bom humor!
Adorei! Vou fazer uma matéria lá no blog sim!
Abraço*

http://luahmelo.blogspot.com

Annie Stephanie disse...

Adorei!
Muito divertido o modo como retrata algo que está impregnado nos relacionamentos da nossa sociedade. E concordo com você: deve haver um distanciamento equilibrado entre o casal...

E aí, quando sai o livro? Quero lê-lo!

Beijos,

Annie Stephanie - http://muchdreamer.blogspot.com/

Camila M. disse...

O tema é bem atual. O ser humano é inconstante e não suporta a rotina, os mesmos rostos, as mesmas risadas e até as mesmas mentiras. rs.
Eu mesma, em menos de 4 meses mudei 3 vezes o meu corte de cabelo só pra não olhar pra mesma cara de Camila.

:)

Viver é preciso, fugir do cotidiano e feijão com arroz mais ainda!

Kathleen disse...

HAAHAHHA, adorei o post.

E o nome do Lucí? ASHHSHAHS, muito engraçado.


:*
http://blogkathleen.blogspot.com

Gilciany Viana disse...

Oi Edson, esse cotidiano é fogo mesmo...faz a gente mudar de opinião num piscar de olhos, mas fazer o que se muitos de nós não enxergam os erros e teimam em dar brecha pra esse fulano de tal entrar e acabar de vez com o relacionamento né?
Adorei a crônica! =)

Netta Mariah disse...

Muito bom, Edson

Realmente estamos tão "acostumados" ao cotidiano que na maioria das vezes esquecemos de olhar para trás e ver o tanto de tempo que deixamos passar.

Gabi Uchôa disse...

Primeira vez aqui no blog!
E simplesmente adorei o jeito como você escreve.
Parabéns! Seus textos são ótimos.
É difícil evitar a rotina, mas não impossível. E acho que se nós estivermos atentas a isso, fica mais fácil evita-la.
Bela crônica! Já estou seguindo.
Beijos
Gabi
http://opadezoitoanos.blogspot.com/

Elisandra disse...

Oi Edson,
kkkk....sabe que esse Lucinho ta atormentando meus pais....kkkk...mas eu as vezes apareço por lá pra dar um chega pra lá nele....kkk...agora falando da minha vida, digo que você está coberto de razão....realmente existem três vidas a minha, a dele e a nossa....perfeita essa frase....sou casada a dois anos e vivo a 6 anos com o meu amor, e sabe que o tal Lucinho sempre é mandado embora porque encontrei o cara certo, que entende que tenho de ter espaço com os meus amigos e eu sei que ele tem de ter espaço com os dele, afinal se nos víssemos toda hora não haveria novidade...e novidades é ótimo para qualquer pessoa. Seu toque ficou ótimo e acabei falando demais...mas você já deve saber que mulher fala muito....kkkkk....to lendo o blog para resenhá-lo como combinamos...\o/...sinto que irei me divertir muito por aqui....beijokas elis - http://amagiareal.blogspot.com/

Carol C disse...

Ri horrores com o Lúcifer José Belzebu Cipriano Capeta de Cotidiano e Silva hahaha

Lucianoandrade' disse...

Gostei pra caramba, ri muito com Lúcifer José Belzebu Cipriano Capeta de Cotidiano e Silva kkk
Ótima crônica !

Simony disse...

Gostei,um texto que prestei bem atenção,o cotidiano atrapalha a vida de qualquer casal,devemos regar a cada dia a semente do amor com bastante carinho para não morrer..
http://simonebastos2007.blogspot.com/

Anna disse...

KKKKK, muito bom, muito bom mesmo!!!!

Paty Furlan disse...

Noooossa adoreii o site, li várias postagens, virei fã! hahaha :D

Quando puderem meninas, dêem uma lida no nosso blog http://euvivonamoda.blogspot.com.br/ Tá rolando uma promoção de um mouse lindo!! *-* Participem, beijos!

Kimy Gabrielli disse...

Rsrsrsrsrs... eu realmente morri de rir com esse texto. E realmente, a rotina e o cotidiano são as pestes de qualquer relacionamento.

Beijinhos,
Kimy Gabrielli.
http://blogkimygabrielli.blogspot.com.br

Unknown disse...

Super-Atual! Desde os tempos de Eva.

Ricardo disse...

Caro autor do blog, tu já reparaste que as mulheres ficam com um tipo de homem (bad boy, cafajeste) nas baladas e casam com outros (bonzinhos, ricos, submissos)?

Explicação é obvia... bad boys e cafajestes, a simples existência deles basta para despertarem o interesse delas, já os bonzinhos, ricos e submissos precisam de artifícios (carro, casa, etc...) e são vistos como macho de 2ª categoria, são tão inferiores que precisam ser provedores.

Postar um comentário